Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Leviatã no porta-malas

Leviatã no porta-malas
Foto: Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados

“Um cidadão normal, chamado Genivaldo, foi gasificado num porta-malas de uma viatura da Polícia Rodoviária Federal no Estado de Sergipe”, disse Denis Rosenfield, em artigo para o Estadão.

“O espetáculo do horror introduz a morte violenta patrocinada pelo Estado, cuja função – convém sempre lembrar – consiste em proteger a vida e o patrimônio dos cidadãos. Hobbes já dizia que essa é sua função essencial, sem a qual a sociedade recairia num estado de selvageria, denominado por ele de guerra de todos contra todos. A justificativa inicial utilizada pelo arbítrio foi a de um ‘mal súbito’ sofrido pela vítima, expressão que só pode ser considerada como uma piada macabra. Mal, sim, existe, mas o de uma sociedade que começa a se acostumar com tal tipo de arbitrariedade. Súbito, sim, o descaramento e a ausência de compaixão (…).

O Brasil vive um período particularmente delicado, pois estas formas de ‘morte social’ passam a ser tidas por normais. Nem a compaixão se faz mais presente nas ações governamentais. Se o Estado não se impõe, protegendo os malfeitores e relegando os policiais honestos e conscientes, é porque se encaminha para formas autoritárias. Trata-se, na verdade, de um jogo político com a morte. A sociedade não pode pactuar com tal tipo de ‘brincadeira macabra’”. 

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....