Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Por que Paulo Guedes está certo

De acordo com Rodrigo Natali, da Inv Publicações, o governo acerta com a PEC para cortar o ICMS sobre os combustíveis, mesmo com a perda de arrecadação
Por que Paulo Guedes está certo
Foto: IADE Michojko/Pixabay

Ontem à noite, o ministro da Economia, Paulo Guedes, divulgou o seu plano de fechar um acordo entre o governo federal com os Estados, para cortar o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis, na forma de uma PEC. Em troca da aprovação do projeto, que fixa um teto de 17% para o ICMS, o Executivo ofereceu zerar o PIS, Cofins e Cide sobre gasolina e etanol. Como contrapartida, os governadores teriam de zerar o ICMS sobre o diesel e o gás de cozinha. E as perdas com arrecadação, caso a PEC seja aprovada, seriam financiadas pela União.

Diversos bancos viraram a noite fazendo contas com relação aos impactos diretos de tal medida sobre a arrecadação: 84 bilhões de reais até o fim do ano e 168 bilhões em 12 meses, diz o Itaú Unibanco. Já a Garde Asset diz que o corte teria impacto de 0.64 p.p. no IPCA deste ano, o que poderia se traduzir num ciclo de alta de juros mais curto.

Embora esses dados sejam interessantes e muito relevantes, vamos focar nossa discussão no aspecto macroeconômico maior e por qual razão esse tipo de medida (um corte de imposto) faz sentido.

Desde que começamos a ter uma sequência de recordes de arrecadação, entrando no décimo mês de superávit primário consecutivo, o excesso foi quase que totalmente direcionado para a amortização do estoque de endividamento do país, como podemos observar pela forte queda da dívida/PIB. Isso foi de certa forma indolor e causou pouca fricção política, porque o teto de gastos tornava esse fenômeno praticamente automático.

Entrando mais dinheiro e não se podendo aumentar o gasto na mesma proporção, ele tinha que ir para algum lugar. E o escolhido até hoje, a amortização, por mais que nos coloque numa situação de destaque quando nos comparamos com outros países, não é de longe o modelo mais eficiente para a população.

Ao invés de cobrar uma parcela da renda, que é superior às necessidades do Estado apenas para amortizar um estoque que já é baixo em relação à maioria das economias do mundo, poderíamos devolver parte do excesso para a população por meio de investimentos feitos pelo governo, planos sociais ou corte de impostos. Sabemos que os primeiros dois não são possíveis por causa do teto de gastos. Sobra, assim,  a terceira opção, que ainda tem a vantagem de tornar a economia mais eficiente, ao reduzir o peso do governo nas atividades produtivas. Dentro de uma banda razoável, a perda de arrecadação vista curto prazo é compensada pelo aumento da eficácia econômica, como demonstra o princípio da curva de Lafer.

Ao final, cobrar menos imposto é devolver renda diretamente para a população, sem prejudicar o Estado, que hoje tem a capacidade de tomar essa medida após conseguir regular suas contas públicas.

Todo brasileiro sempre reclamou do peso dos impostos, principalmente nos combustíveis, e talvez estejamos próximos a um corte definitivo que só nos beneficia. E, ao invés de comemorar, a primeira reação do mercado foi adversa, com juros futuros e dólar subindo.

Nós discordamos: achamos que é uma boa medida e que, dessa vez, Paulo Guedes está certo.

Rodrigo Natali, estrategista-chefe na Inv Publicações.

Nota: especialista em macroeconomia doméstica e internacional, com foco principal nos mercados de câmbio e juros, Rodrigo Natali desenvolve uma estratégia para você aproveitar as melhores oportunidades do mercado em diferentes cenários. Clique aqui e saiba mais sobre essa estratégia, disponível apenas na casa de análise independente Inv.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....