Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Pleno emprego nos EUA

Crescimento de empregos não agrícolas no país foi muito além das expectativas; mercado interpreta o dado de duas formas, uma otimista e outra pessimista
Pleno emprego nos EUA
Foto: Free-Photos/Pixabay

Quando, na segunda metade dos anos 1970, deixei de operar nos mercados brasileiros para me dedicar exclusivamente às Bolsas e derivativos americanos, na verdade só um dado econômico interessava.

Estou me referindo à trade balance (balança comercial), que os analistas e traders chamavam de trade deficit, simplesmente porque era sempre deficitária.

Alguns especuladores e investidores até se lamentavam porque não adiantava nada estudar os fundamentos do mercado —no final, o trade deficit é que determinava tudo.

Os anos se passaram e a estatística mais importante passou a ser o unemployment (desemprego). Mas logo um dado, também sobre o emprego, começou a se destacar.

Refiro-me ao US nonfarm payroll jobs (crescimento ou redução do número de empregos não agrícolas).

Esse dado sai sempre na primeira sexta-feira do mês, e hoje é a primeira sexta-feira de agosto. A hora de divulgação é sempre 8h30 da manhã, horário da Costa Leste americana, que nesta época do ano fica uma hora atrás do Brasil.

Ou seja, aqui o payroll sai às 9h30, quando estamos no meio da reunião matinal da Inv.

Hoje, esperava-se um crescimento de 250 mil empregos; o número que saiu foram impressionantes 523 mil, mais do que o dobro das estimativas. O percentual de desemprego foi de 3,5% (a expectativa era de 3,6%).

Essa alta do payroll, além de ser enorme, significa que os EUA já recuperaram todos os empregos perdidos por causa da Covid.

Para o mercado de ações, esses números podem ser interpretados de duas maneiras.

Visão otimista: a economia está explodindo (no bom sentido do verbo) sem nenhum sinal de recessão, que seria a tal hard landing (aterrissagem forçada), tão temida.

Visão pessimista: com inflação e pleno emprego, o ciclo de alta do Fed deverá perdurar por mais tempo.

No pré-mercado futuro, o S&P 500 está caindo 1%, sinal de que o mercado não gostou do overheating (superaquecimento) econômico. Mas essa reação poderá mudar ao longo do dia.

A conferir.

Ivan Sant’Anna, trader, escritor e colunista Inv Publicações.

Nota: mesmo com o pleno emprego nos EUA, a economia global (e mesmo a norte-americana) ainda tem sérios desafios a superar. E Ivan Sant’Anna pode te ajudar nessa jornada. Clique aqui e saiba como receber conteúdos exclusivos de um dos maiores traders do Brasil no seu e-mail.

 

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....