Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

O teto de gastos sob ataque

O cenário se deteriorou bastante, mas as pessoas parecem complacentes; é nestas horas, quando não estão olhando, que vale a pena ficar ainda mais alerta
O teto de gastos sob ataque
Foto: JoelFotos/Pixabay

O Brasil tem uma história eleitoral democrática curta. Mas, se alguma lição é possível ser tirada, é que os governos tendem a ser menos austeros, indisciplinados fiscalmente e até mais populistas nos anos em que precisam da população para manterem seus cargos.

Assim, não foi uma surpresa o anúncio de 5% para os funcionários públicos do Poder Executivo na semana retrasada. No entanto, a quantidade de categorias e grupos que recentemente têm demonstrado insatisfação e ameaçado greves, como destacou hoje Rosa Riscala, em sua coluna diária no Bom Dia Mercado, além das diversas frentes potenciais das quais teremos mais notícias ruins para o volume de gastos do governo, demonstram um agravamento da situação fiscal de forma pronunciada.

Algumas fontes de mais despesas podem vir de acordos com as categorias que estão insatisfeitas com o aumento de 5% para os funcionários do Executivo, que incluem:

●     A Polícia Federal, que entendeu o acréscimo como descumprimento do combinado e vai sentar amanhã (19) com o ministro da Justiça para negociar por mais aumento.

●     A Receita Federal, que se manifestou dizendo que o aumento de 5% não repõe a inflação.

●     No Tesouro Federal, está marcada uma paralisação de protesto na quarta-feira, dia 20.

●     No Banco Central, a greve continua.

Se houver acordos, mais categorias podem também se manifestar. Além disso, é questão de tempo para os funcionários dos Poderes Legislativo e Judiciário começarem a exigir um reajuste na sua remuneração. A estimativa é que, nesse caso, o gasto para este ano chegue aos R$ 8 bilhões, cuja fonte de recursos ainda é desconhecida, dado que existe espaço no Orçamento para apenas R$ 1,7 bilhão.

Diferente de outras despesas, esses aumentos são definitivos —e, como já estamos nos dirigindo para o meio do ano, têm um impacto bem maior no ano que vem, podendo enganar um pouco quando olhamos apenas para 2022. No entanto, o problema não é apenas o aumento na folha de pagamentos. Temos outras demandas dos congressistas e acordos políticos que podem entrar na conta:

●     Possível queda do veto à Lei Paulo Gustavo: R$ 3,9 bilhões.

●     Aprovação de repasses da Lei Aldir Blanc: R$ 3 bilhões.

●     Programa Emergencial do Setor de Eventos: R$ 2,5 bilhões.

●     Repasse para agricultores de baixa renda: R$ 3 bilhões.

●     Subsídio de tarifa de transporte para idosos: R$ 5 bilhões.

Esses valores e mais outros podem chegar a R$ 25,5 bilhões.

Como esses gastos estão sendo anunciados sem cortes equivalentes e sem os protestos do Ministério da Economia, como ocorreu no ano passado, a situação atual é bem mais complicada. Entretanto, percebemos que o mercado como um todo não está olhando esses dados de perto como no semestre passado, quando toda notícia fiscal era acompanhada com uma lupa. Na época, erámos menos preocupados que o mercado, dado que a solução encontrada foi uma mudança de prazo pontual. Hoje, o cenário se deteriorou bastante, mas as pessoas parecem complacentes. E é justamente nestas horas, quando os outros não estão olhando, que vale a pena ficar ainda mais alerta. Quando todos veem um risco, ele naturalmente passa a entrar no preço dos ativos. Mas, quando ele deixa de ser destacado, tem o potencial de surpreender.

Rodrigo Natali, estrategista-chefe da Inv Publicações

Nota: Pensar a longo prazo e saber lidar com a volatilidade são dois dos principais “mandamentos” a serem seguidos pelo investidor. Se você não quer ser surpreendido pelos movimentos do mercado, a dica é se inspirar com as ideias de quem realmente conhece o mundo das finanças. Ex-tesoureiro do Bradesco e diretor de Investimentos da Armor Capital, Alfredo Menezes viveu (e venceu!) as crises dos últimos 40 anos. Não por acaso, é um dos traders mais respeitados do país. Na série “Mão de Ferro — Imersão Total”, da casa de análise financeira independente Inv, ele ensina a você como construir um patrimônio sólido, mesmo em um cenário de incertezas. Para conhecer, clique aqui

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....