Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Ruy Goiaba: Todo dia é dia, toda hora é hora de palestrinha

Colunista comenta o merchandising de boas causas em novelas como "Pantanal", geralmente incluído nas tramas em forma de "palestrinha", e não de modo orgânico
Ruy Goiaba: Todo dia é dia, toda hora é hora de palestrinha
Foto: José Paulo/Pixabay

Em sua coluna para a Crusoé que foi ao ar nesta sexta (5), Ruy Goiaba (foto) comenta o gosto dos autores de novelas como “Pantanal” por uma espécie de merchandising de boas causas —geralmente incluído nas tramas em forma de “palestrinha”, e não de modo orgânico.

“É verossímil que Zé Leôncio, pantaneiro de meia-idade cuja fazenda não tem nem acesso à internet, trate do assunto [homossexualidade] fazendo para seus peões uma espécie de TED Talk sobre os males da homofobia? Joel [Pinheiro da Fonseca] se lembrou, muito a propósito, de uma frase clássica do romancista francês André Gide (‘é com os bons sentimentos que se faz a má literatura’); acredito, porém, que a insistência em recorrer à palestrinha tem outras dimensões. Todos sabem que um problema antigo do cinema brasileiro, e de algumas séries televisivas, são os diálogos em estilo ‘verbete de enciclopédia’ para situar o espectador no momento histórico — e cuja naturalidade é inversamente proporcional ao seu ‘didatismo’.”

LEIA AQUI a íntegra da coluna; assine a Crusoé e apoie o jornalismo e o humorismo independentes.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....