Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

TSE no combate às fake news

Atualmente, o que também tem preocupado a Corte é o uso do Telegram; os ministros devem definir em fevereiro a regulamentação do uso do aplicativo
TSE no combate às fake news
Abdias Pinheiro/ASCOM/TSE.

O ministro Edson Fachin assumirá o cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral em 28 de fevereiro e deverá ficar no cargo até agosto, quando se encerrará a sua passagem de dois anos como ministro do TSE. O ministro Alexandre de Moraes assumirá, então, o cargo e deverá estar no comando da Justiça Eleitoral durante as eleições de 2022.

O Antagonista confirmou que os dois ministros conversam sobre o combate às fake news na Corte. O tema é considerado uma grande preocupação. Os ministros querem manter a atual equipe do tribunal, além de continuar as campanhas de enfrentamento à desinformação.

No fim do ano passado, Fachin divulgou nota na qual afirma que “há risco de totalizar-se uma catástrofe na história se a esperança não vencer ódios, fanatismos, irracionalidades”. 

Em julho passado, o ministro também rebateu, sem citar nomes, todas as acusações feitas por Jair Bolsonaro contra o sistema eleitoral eletrônico e o Tribunal Superior Eleitoral.

Também ano passado, o ministro Alexandre de Moraes disse que “se houver repetição do que houve em 2018, terá cassação e prisão”. O ministro se referiu à difusão em massa de notícias falsas. “Se houver repetição do que foi feito em 2018, o registro será cassado. E as pessoas que assim fizerem irão para a cadeia por atentar contra as eleições e a democracia no Brasil”, disse.

Atualmente, o que também tem preocupado a Corte é o uso do Telegram. Como mostramos, os ministros devem definir em fevereiro a regulamentação do uso do aplicativo de mensagens, conforme apurou O Antagonista.

Em evento em novembro passado, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que a Corte tem defendido que só possam operar as mídias sociais e plataformas que tenham sede ou representação no Brasil, para que exista accountability de quem cumpre a legislação eleitoral brasileira.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....