Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

TSE desaprova contas de Kalil e determina devolução de R$ 2,2 milhões

O TRE-MG reconheceu irregularidade de R$ 2,2 milhões que teria origem não identificada; valor foi declarado como "recursos próprios aplicados na campanha"
TSE desaprova contas de Kalil e determina devolução de R$ 2,2 milhões
Foto: Rodrigo Clemente/PBH

Por maioria de votos, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral manteve a desaprovação da prestação de contas de campanha do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (foto), do PSD, referente às eleições de 2016 e determinou o ressarcimento ao erário de R$ 2,2 milhões.

O prefeito alegou que foi realizada doação de recursos próprios para a campanha eleitoral, por meio de venda de imóvel a seus filhos. Segundo afirmou, ele vendeu, em 10 de outubro de 2016, 37,5% do imóvel situado no bairro de Lourdes, em Belo Horizonte, para os seus três filhos, no valor de R$2.231.250. Na mesma data, os filhos do prefeito venderam imóvel situado no bairro Serra, em Belo Horizonte, para a CBC Imóveis e Conservadora Ltda, no valor de R$5.231.250,00 –  sendo que a entrada, no valor de R$2.231.250,00 seria transferida para Kalil em 14 de outubro.

Em maio de 2017, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) manteve a sentença dada na primeira instância e desaprovou as contas de campanha apresentadas por Kalil.

Na decisão, o TRE-MG reconheceu irregularidade de R$ 2,2 milhões que teria origem não identificada. O valor foi declarado por Kalil como recursos próprios aplicados na campanha.

Os ministros analisaram recurso do prefeito contra a decisão do ministro Sérgio Banhos, relator, que manteve o entendimento do TRE de Minas Gerais.

Sérgio Banhos votou pela desaprovação das contas. “O ponto central diz respeito a ausência de provas de origem que teriam possibilitado as doações”, disse.

O ministro foi seguido por Carlos Horbarch, Edson Fachin e Luís Roberto Barroso.

O ministro Alexandre de Moraes teve um entendimento diferente e afirmou que é um caso interessante, uma vez que que é estranho, mas não é ilícito e aprovou com ressalvas as contras do político.

“O TRE entendeu que poderia haver alguma dúvida sobre a origem dos recursos. Após esclarecimentos, foi verificado que foram doações, não há comprovações de fraudes e simulações”, disse Moraes.

Moraes foi seguido pelos ministros Mauro Campbell e Benedito Gonçalves.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....