Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

STF forma maioria para arquivar inquérito de Renan e Jader na Lava Jato

O processo foi aberto em 2016 para apurar declarações dadas em delação premiada por Delcídio do Amaral, de supostos repasses indevidos
STF forma maioria para arquivar inquérito de Renan e Jader na Lava Jato
Fotos: Jefferson Rudy/Agência Senado

O plenário do Supremo Tribunal Federal formou maioria para arquivar um inquérito que investiga o suposto pagamento de propina aos senadores Renan Calheiros (foto, à esquerda) e Jader Barbalho (foto, à direita) em obras da hidrelétrica de Belo Monte.

O inquérito foi aberto em 2016 para apurar fatos citados por Delcídio do Amaral em delação premiada, e supostos repasses indevidos de empresas a agentes políticos vinculados ao então PMDB.

Segundo a delação, construtoras acertaram o pagamento de R$ 30 milhões em propina para PT e PMDB e parte teria sido pago para a campanha eleitoral de Dilma Rousseff em 2010.

O relator, ministro Edson Fachin, afirmou que o Ministério Público não reuniu as provas de crime contra os senadores.

“Ainda que seja inegável o porte e a complexidade da apuração, a Procuradoria-Geral da República, de forma contraditória e sem agregar dados e elementos que consolidem a implicação do agravante [Renan Calheiros], pleiteia diligências cujas execuções retiram qualquer perspectiva de desfecho conclusivo próximo, adotando postura incompatível com o valor constitucional da duração razoável do processo”, disse Fachin.

Segundo o ministro, o inquérito em questão compõe-se de vasto acervo informativo, com 11 volumes e 10 apensos. Para Fachin, desse conteúdo, é possível assentar a verossimilhança e consistência quanto ao ajuste dos grupos empresariais do consórcio formado por ocasião das obras da Usina de Belo Monte, para a realização de pagamentos a agentes políticos.

“A estratégia de obtenção de prova, assomada aos atos de investigação praticados pela autoridade policial e às medidas cautelares executadas, não se revelou suficiente para delimitar, mesmo em caráter precário, a hipótese de que tais parlamentares também seriam destinatários dos pagamentos indevidos, imprecisão que esvazia a pretensão de continuidade das diligências no âmbito desta Suprema Corte”, afirmou Fachin.

Fachin foi seguido pelos ministros Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes.

A Corte analisa o caso no plenário virtual, entre os dias 4 e 11 de fevereiro. No virtual, não há discussão, apenas apresentação de votos. Caso algum ministro peça vista (mais tempo para analisar o caso), o julgamento é suspenso. Se houver pedido de destaque, o julgamento é enviado ao plenário físico.

Mais cedo, como mostramos, a Corte também formou maioria pela rejeição da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente da Câmara, Arthur Lira (foto), do PP de Alagoas, em uma investigação sobre suposta corrupção passiva.

Clique aqui para ler o voto de Fachin.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....