Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

"Servidores públicos têm privilégios legais, porém imorais"

A afirmação é do economista Gil Castello Branco, da ONG Contas Abertas; segundo ele, membros do MP e do Judiciário têm diversas benesses
“Servidores públicos têm privilégios legais, porém imorais”
Divulgação

Os pagamentos de quase R$ 500 mil aos procuradores, autorizados por Augusto Aras no fim do ano passado, foram criticados pelo economista Gil Castello Branco, da ONG Contas Abertas. Segundo ele, membros do Ministério Público e do Judiciário “têm privilégios legais, porém imorais quando confrontados com a situação das demais categorias profissionais”.

“Na minha opinião, uma reforma administrativa justa, deveria reduzir privilégios existentes não só no Executivo, mas também no Legislativo, no Judiciário e no Ministério Público, a começar pelos supersalários”, disse.

Para Castello Branco, as férias de 60 dias para magistrados e procuradores estão entre os absurdos existentes no Judiciário e no MP.

“No Judiciário, por exemplo, a meu ver, existem dois absurdos legais e imorais: o primeiro, as férias de 60 dias. O segundo, a venda de parte das férias, o que acaba sendo uma complementação salarial. E tudo pago pelos brasileiros, incluindo cerca de 13 milhões de desempregados e os quatro ou cinco milhões de desalentados, que nem emprego procuram mais”, disse.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....