Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

"O jogo só termina quando acaba", diz Lira, sobre derrota da PEC da Vingança

Após derrota, sessão foi encerrada pelo presidente da Câmara, que prometeu colocar em votação o texto original do petista Paulo Teixeira; ainda não há data
“O jogo só termina quando acaba”, diz Lira, sobre derrota da PEC da Vingança
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Arthur Lira (foto) é vingativo e não vai aceitar facilmente a derrota da PEC da Vingança. Logo após a votação, ele disse aos repórteres: “Nós temos um texto principal, temos possibilidades regimentais. Vamos analisar o que mudou em três votações para fazer uma análise política. O jogo só termina quando acaba.”

“Não penso em vitória nem derrota”, emendou.

O texto votado em plenário foi um substitutivo apresentado pelo relator, Paulo Magalhães (PSD/BA) — a décima versão. O resultado foi de 297 contra 182 votos e 4 abstenções, faltando 11 votos para aprovação. Seriam necessários 308 votos para aprovação da proposta.

Após a votação, a sessão foi encerrada por Arthur Lira, que prometeu colocar em votação o texto original da proposta, Paulo Teixeira (PT/SP). Mas ainda não há data prevista para a nova votação.

Ontem, já circulavam versões de que Lira teria determinado à sua assessoria uma lista dos “traidores”, que sofrerão cortes de emendas e benefícios por terem contrariado o monarca que preside a Câmara.

A tentativa de buscar saídas regimentais é puro tapetão e desconsidera o fundamental: a forte rejeição da sociedade à ampliação do controle político do Ministério Público, órgão fundamental para a defesa dos patrimônios nacional, público e social, inclusive o patrimônio cultural, o meio ambiente, além de direitos coletivos, especialmente da minorias.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....