Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Mourão: "Cometeu crime tem que pagar, mas sem prisões arbitrárias"

Em almoço oferecido por empresários de Brasília, liderados pelo presidente do PSD no DF, Paulo Octávio, Mourão disse que a democracia é pilar da civilização
Mourão: “Cometeu crime tem que pagar, mas sem prisões arbitrárias”
Foto: O Antagonista

Ao participar hoje de almoço oferecido por empresários de Brasília, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que a democracia e o estado de direito são pilares da nossa civilização e criticou prisões arbitrárias. “O estado de direito, a lei valendo para todos, sem prisões arbitrárias, sem ‘eu quero, eu posso, eu mando’, independente do sobrenome do cidadão. Cometeu crime tem que pagar“, afirmou Mourão.

O almoço foi oferecido pela Lide, grupo de empresários liderados em Brasília pelo ex-vice-governador do DF Paulo Octávio, hoje presidente regional do PSD. Criado nacionalmente pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o Lide se reúne mensalmente, com a presença de políticos e autoridades públicas. Há três semanas, o convidado foi o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes.

Mourão fez um panorama da situação brasileira. Defendeu a Reforma Tributária, a Reforma Política e criticou o projeto de Reforma do Código Eleitoral em tramitação no Congresso. Ele disse que o projeto está sendo discutido “meio no tapa“, com mais de 900 artigos, sem que os deputados tenham a compreensão do texto.

Sobre a quarentena de cinco anos para juízes, promotores, procuradores e policiais, Mourão se mostrou um crítico. “Não sei se atinge especificamente a pessoa do senhor Sergio Moro ou de uma maneira geral, mas acaba colocando pessoas como se fossem cidadãos de segunda categoria. Acho que isso não é o caso“.

O vice-presidente citou o pugilista Mike Tyson, ao dizer que a pandemia foi um “murro na cara“. Ele disse: “Como diria Mike Tyson, todo mundo tem uma estratégia até levar um murro na cara“. Também fez uma citação de Yoda, personagem de Star Wars: “O medo gera raiva, a raiva gera ódio e este gera ressentimento“.

Sobre o Brasil receber refugiados do Afeganistão, Mourão afirmou que não vê dificuldades. “Não sei se afegãos virão para o nosso país, face à distância, mas o Brasil sempre recebeu de braços abertos toda e qualquer pessoa que aqui quiser chegar. Quem quiser chegar e trabalhar e se incorporar aos nossos esforços, será bem-vindo“.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....