Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Gilmar ataca cláusula ‘absolutamente ilegal’ que permitiu delação contra Toffoli

Gilmar ataca cláusula ‘absolutamente ilegal’ que permitiu delação contra Toffoli
Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Ao defender a anulação da delação de Sérgio Cabral, o ministro Gilmar Mendes criticou uma cláusula do acordo homologado por Edson Fachin que permitiu ao ex-governador do Rio apresentar os anexos nos quais delata Dias Toffoli, diz a Crusoé

Classificada por Gilmar como “absolutamente ilegal”, a cláusula abria um prazo de 120 dias para a “elaboração de novos anexos” da delação de Cabral, homologada por Fachin em fevereiro de 2020. Por causa da pandemia, o prazo de quatro meses foi prorrogado.

Em meio a inúmeras outras críticas feitas ao acordo de Cabral, Gilmar ataca o fato de Fachin ter homologado a delação com essa cláusula, classificada por ele como “bastante sui generis”.

Leia aqui a íntegra. Assine a Crusoé e apoie o jornalismo independente.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....