Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Fidelidade de Mendonça pesou mais que sua religião

O advogado-geral da União foi escolhido por Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal porque é terrivelmente fiel ao presidente
Fidelidade de Mendonça pesou mais que sua religião
Foto: Alan Santos/PR

O estreitamento das relações entre Jair Bolsonaro e o Centrão gerou fortes dúvidas sobre se o presidente iria realmente honrar sua promessa de indicar um ministro “terrivelmente evangélico” ao STF, diz a Crusoé. No entanto, a fidelidade de André Mendonça foi mais determinante que sua religião.

“O escolhido do presidente enfrenta resistências no Congresso, mas a aposta é de que o nome de Mendonça será aprovado. Pastor de uma igreja presbiteriana em Brasília, ele se cacifou para a vaga por ser evangélico, mas, principalmente por ter embarcado na defesa incondicional do chefe.”

“No Ministério da Justiça, o advogado sacou do bolso com frequência a Lei de Segurança Nacional, criada na ditadura militar, para inibir a atuação de críticos do presidente da República, como jornalistas, escritores e influenciadores digitais.”

Leia mais aqui.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....