Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Empresário da Covaxin diz que está em quarentena e CPI remarca depoimento

Francisco Maximiano disse que retornou da Índia no dia 15 e ficará isolado até 29 de junho; laboratório é investigado por atraso na entrega das vacinas
Empresário da Covaxin diz que está em quarentena e CPI remarca depoimento
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Convocado para depor amanhã à CPI da Covid, o dono da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano, comunicou aos senadores que está em quarentena e não poderá comparecer.

Disse que voltou de uma viagem à Índia no último dia 15 e que ficará isolado até o dia 29.

A Precisa representa no Brasil o laboratório indiano Bharat Biotech e foi contratada em fevereiro pelo Ministério da Saúde, por R$ 1,6 bilhão, para fornecer 20 milhões de doses da vacina contra a Covid.

Como mostramos mais cedo, o negócio será investigado pela área criminal do Ministério Público Federal pelo atraso na entrega e pelo preço de US$ 15 a dose, a mais cara no Brasil.

Em nota enviada à CPI, os advogados do empresário dizem que ele está “à disposição das autoridades para desmentir as inverdades que maliciosamente vem sendo difundidas, prestar os devidos esclarecimentos e mostrar como a contratação da vacina Covaxin obedeceu a todos os critérios de integridade, valor de mercado e interesse público.”

A Anvisa ainda não autorizou o uso da Covaxin no Brasil.

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), disse que remarcará o depoimento para quinta ou sexta-feira da semana que vem.

O vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que o aviso da ausência, na véspera do depoimento, foi um desrespeito. “Ele começou muito mal.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....