Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Ciro Gomes, sobre operação: "Braço do Estado policialesco de Bolsonaro contra mim"

Alvo de ofensiva da Polícia Federal nesta quarta-feira, pré-candidato do PDT à Presidência da República fala em perseguição
Ciro Gomes, sobre operação: “Braço do Estado policialesco de Bolsonaro contra mim”
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Ciro Gomes (foto) se pronunciou há pouco no Twitter após ser alvo de uma operação da PF que investiga um suposto esquema de fraudes e pagamentos de propinas nas obras no estádio Castelão, em Fortaleza (CE), entre os anos de 2010 e 2013.

O pré-candidato do PDT à Presidência da República negou ter cometido irregularidades e afirmou que “o braço do Estado policialesco de Bolsonaro levanta-se novamente” contra ele.

“Não tenho dúvida de que esta ação tão tardia e despropositada tem o objetivo claro de tentar me intimidar e deter as denúncias que faço todo dia contra esse governo que está dilapidando nosso patrimônio público com esquemas de corrupção de escala inédita. O braço do Estado policialesco de Bolsonaro, que trata opositores como inimigos a serem destruídos fisicamente, levanta-se novamente contra mim“, disse.

“Não tenho dúvida de que esta ação tão tardia e despropositada tem o objetivo claro de tentar criar danos à minha pre-candidatura à presidência da republica. Da mesma forma tentaram 15 dias antes do primeiro turno da eleição de 2018. Tenho 40 anos de vida pública e nunca fui acusado nem processado por corrupção. Mas não é isso. E sejamos claros. Não tenho nenhuma ligação com os supostos fatos apurados. Não exerci nenhum cargo público relacionados com eles. Nunca mantive nenhum tipo de contato com os delatores. O que, aliás, o próprio delator reconhece quando diz que NUNCA me encontrou”, acrescentou.

“Chega a ser pitoresco. O Brasil todo sabe que o Castelão foi o estádio da Copa com maior concorrência, o primeiro a ser entregue e o mais barato construído para Copas do Mundo desde 2002. Ou seja, foi o estádio mais econômico e transparente já feito para a Copa do Mundo. O pretexto era de recolher supostas provas de um suposto esquema de favorecimento a uma empresa na licitação das obras do Estádio do Castelão para a Copa do Mundo de 2014″, prosseguiu.

“Mas depois da Policia Federal subordinada a Bolsonaro, com ordem judicial abusiva de busca e apreensão, ter vindo a minha casa, não tenho mais dúvida de que Bolsonaro transformou o Brasil num Estado Policial que se oculta sob falsa capa de legalidade. Até esta manhã, eu imaginava que vivíamos, mesmo com todas imperfeições, em um pais democrático”concluiu.

A operação desta quarta-feira (15) também mira, entre outros alvos, Cid Gomes e Lúcio Ferreira Gomes, irmãos de Ciro.

Leia também:

PF diz que Ciro e Cid Gomes integram “associação criminosa”

Justiça quebra sigilos bancário e telefônico de Ciro, Cid e outros 12 alvos

Ciro e Cid receberam “pagamentos sistemáticos de propina”, diz PF

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....