Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

"STF não deve interferir", diz Barroso, sobre senador do PL em relatoria de R$ 140 bilhões

Como O Antagonista noticiou, Wellington Fagundes não poderia ter sido nomeado por Rose de Freitas relator setorial de educação
“STF não deve interferir”, diz Barroso, sobre senador do PL em relatoria de R$ 140 bilhões
Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O ministro Luís Roberto Barroso (foto), do STF, negou o pedido de liminar contra a decisão da presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), senadora Rose de Freitas (MDB-ES), de descumprir o regimento do Congresso e a norma que rege o colegiado para manter no cargo de relator setorial de educação o senador Wellington Fagundes (PL-MT).

“O Supremo Tribunal Federal somente deve interferir em procedimentos legislativos para assegurar o cumprimento da Constituição, proteger direitos fundamentais e resguardar os pressupostos de funcionamento da democracia e das instituições republicanas”, disse o ministro, no despacho divulgado há pouco.

“A alegação de que a nomeação de relator setorial para o Projeto de Lei Orçamentária Anual desrespeitou norma regimental – que confere à liderança de bloco parlamentar o poder de indicá-lo, vedando a designação de membro do mesmo partido do relator da área temática no ano anterior – não configura, ao menos em exame sumário, nenhuma das hipóteses justificadoras de intervenção judicial”, acrescentou Barroso.

O ministro notificou Rose de Freitas, que poderá, se quiser, prestar informações sobre o caso ao Supremo.

Como O Antagonista revelou, estava em disputa nos bastidores do Senado o controle da destinação de quase R$ 140 bilhões em ano de eleição — o valor equivale a quatro vezes o orçamento secreto. O relator da área de educação do orçamento do ano que vem será responsável pela análise de cerca de 680 emendas.

Pelas regras vigentes, o senador do PL não poderia ocupar a função, uma vez que um correligionário, o deputado Zé Vitor (PL-MG), o antecedeu. A indicação de Fagundes também não poderia ter sido assinada pelo senador Izalci Lucas (PSDB-DF), que se colocou como líder do bloco parlamentar com Podemos, PSDB e PSL, o que não é verídico. Lasier Martins (Podemos-RS), que é o líder do bloco em questão, já havia feito, ainda em julho, a indicação formal da senadora Soraya para a função.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....