Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

A democracia de cabresto

"O mantra para que os jovens votem não tem nada a ver com aperfeiçoar o processo democrático”, diz André Marsiglia Santos, na Crusoé
A democracia de cabresto
Foto: Antonio Augusto/ASCOM/TSE

O mantra para que os jovens votem e para que os eleitores não anulem seus votos “não tem nada a ver com aperfeiçoar o processo democrático”, diz o advogado André Marsiglia Santos, em artigo na Crusoé.

O infeliz do jovem mal consegue escolher as próprias meias, não sabe a diferença de um parafuso para um prego, mas é obrigado a ouvir o dia inteiro de todo mundo que a democracia depende dele: vote, vote, vote. Seja participativo nas eleições (…).

Ora, votar branco ou nulo, por acaso, não é também uma escolha? Não estarão, faça chuva ou faça sol, de forma legítima, na urna eleitoral, os botões nulo e branco? Se a escolha do eleitor for por nenhum dos candidatos disponíveis, me parece ser absolutamente responsável a fidelidade à própria escolha chegar ao ponto de não ser negociada em nome de um “menos pior”, que a cada eleição cava ainda mais fundo o buraco daquilo que entendemos por pior.

Leia aqui o artigo completo (aberto para não assinantes).

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....