Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

A alternativa a Bolsonaro não é Lula

O PT tenta transformar as eleições num "plebiscito sobre a barbárie do governo Bolsonaro", mas é preciso impedir esse binarismo
A alternativa a Bolsonaro não é Lula
Foto: Alan Santos/PR

Em outubro, é preciso afastar Jair Bolsonaro do Palácio do Planalto, mas isso não deve – não pode – empurrar o eleitor para o colo de Lula.

É o que diz o editorial do Estadão:

“Diante do descalabro do governo de Jair Bolsonaro, parece evidente a necessidade de que as eleições do segundo semestre sirvam para interromper o retrocesso e a destruição a que o país vem sendo submetido desde 2019 pelo bolsonarismo. Trata-se de imperativo civilizatório mínimo. Jair Bolsonaro mostrou-se indigno e incapaz do cargo que lhe foi atribuído em 2018 (…).

Como esperado, o PT se empenha em fazer com que o eleitor acredite que inexistem alternativas a Lula quando se trata de escolher um candidato capaz de desbancar Bolsonaro. O partido quer encerrar o eleitor desde já numa estreita clausura eleitoral: ou Lula ou Bolsonaro. Ao fazê-lo, o PT se dispensa de apresentar uma discussão madura sobre o futuro do país. Quer impor um binarismo que, a rigor, nem é escolha: é imposição do retrocesso, seja qual for o resultado (…).

Outra tentativa de impedir que o eleitor pondere serenamente a respeito das consequências do seu voto sobre o futuro do país é afirmar que as eleições presidenciais de 2022 são apenas e tão somente um plebiscito sobre a barbárie do governo Bolsonaro. Sob essa lógica, para impedir um segundo mandato de Bolsonaro, valeria a pena votar em qualquer outro candidato. É bom lembrar que foi esse estreito raciocínio, antes aplicado ao lulopetismo, que conduziu Bolsonaro ao Palácio do Planalto. Não convém repetir o erro”.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....